Edited, memorised or added to reading list

on 19-Sep-2017 (Tue)

Do you want BuboFlash to help you learning these things? Click here to log in or create user.

Flashcard 149620413

Tags
#bonds #swaps
Question
in the case of a swap involving two bonds, the benefits in question can be the payments [...] associated with such bonds.
Answer
periodic interest (coupon)


statusnot learnedmeasured difficulty37% [default]last interval [days]               
repetition number in this series0memorised on               scheduled repetition               
scheduled repetition interval               last repetition or drill
Swap (finance) - Wikipedia, the free encyclopedia
e cash flows of one party's financial instrument for those of the other party's financial instrument. The benefits in question depend on the type of financial instruments involved. For example, <span>in the case of a swap involving two bonds, the benefits in question can be the periodic interest (coupon) payments associated with such bonds. Specifically, two counterparties agree to exchange one stream of cash flows against another stream. These streams are called the legs of the swap. The swap agreement defines the dates w







Flashcard 1692134149388

Tags
#filosofia #pondé
Question
A ideia de uma aristocracia competente dando ao homem comum uma vida menos terrível é evidente no pensamento de [...]
Answer
Maquiavel


statusnot learnedmeasured difficulty37% [default]last interval [days]               
repetition number in this series0memorised on               scheduled repetition               
scheduled repetition interval               last repetition or drill

Parent (intermediate) annotation

Open it
A ideia de uma aristocracia competente dando ao homem comum uma vida menos terrível é evidente no pensamento de Maquiavel

Original toplevel document (pdf)

cannot see any pdfs







Flashcard 1692137557260

Tags
#filosofia #pondé
Question
Já no século 20, uma filósofa russa exilada nos Estados Unidos, [...], nos deu a melhor descrição do que seria uma ética aristocrática das virtudes no mundo contemporâneo e burguês. Sua monumental obra de ficção [...] é uma distopia.
Answer
Ayn Rand
A Revolta de Atlas


statusnot learnedmeasured difficulty37% [default]last interval [days]               
repetition number in this series0memorised on               scheduled repetition               
scheduled repetition interval               last repetition or drill

Parent (intermediate) annotation

Open it
Já no século 20, uma filósofa russa exilada nos Estados Unidos, Ayn Rand, nos deu a melhor descrição do que seria uma ética aristocrática das virtudes no mundo contemporâneo e burguês. Sua monumental obra de ficção A Revolta de Atlas é uma distopia. Disto

Original toplevel document (pdf)

cannot see any pdfs







Flashcard 1692173470988

Tags
#heródoto #história #wiki
Question
Os castigos que este sofre são provocados diretamente na proporção da soberbia (ὕβρις) humana. Quando um homem se encontra numa posição de relevo que excede às suas possibilidades naturais, tente a incorrer em soberbia, e é culpado de crimes e sortilégios, que atentam contra a estabilidade ético-social. Para se precaver das hostilidades divinas o homem deve praticar a justiça, a piedade e a modéstia sem que, como ocorre em Sófocles, seja absolutamente seguro que isto baste para ter sucesso. É um posicionamento similar ao da [...], da [...] e da [...] (estilos de literatura).
Answer
tragédia
lírica
épica


statusnot learnedmeasured difficulty37% [default]last interval [days]               
repetition number in this series0memorised on               scheduled repetition               
scheduled repetition interval               last repetition or drill

Parent (intermediate) annotation

Open it
ade ético-social. Para se precaver das hostilidades divinas o homem deve praticar a justiça, a piedade e a modéstia sem que, como ocorre em Sófocles, seja absolutamente seguro que isto baste para ter sucesso. É um posicionamento similar ao da <span>tragédia, da lírica e da épica.<span><body><html>

Original toplevel document

Histórias (Heródoto) – Wikipédia, a enciclopédia livre
anciado no pensamento grego. O ser humano se sente sujeito às instabilidades e é impotente (ἀμήχανος) ante os desígnios divinos. Sem dúvida, o aparente dogmatismo da φθόνος θεῶν (inveja dos deuses) não diminui a responsabilidade dos homens. <span>Os castigos que este sofre são provocados diretamente na proporção da soberbia (ὕβρις) humana. Quando um homem se encontra numa posição de relevo que excede às suas possibilidades naturais, tente a incorrer em soberbia, e é culpado de crimes e sortilégios, que atentam contra a estabilidade ético-social. Para se precaver das hostilidades divinas o homem deve praticar a justiça, a piedade e a modéstia sem que, como ocorre em Sófocles, seja absolutamente seguro que isto baste para ter sucesso. É um posicionamento similar ao da tragédia, da lírica e da épica. Esta atitude de Heródoto, dirigida pela moderação, determina seu pensamento político: obrigado a exilar-se de sua pátria por um regime tirânico, abomina a tirania, cuja essência é a i







#digitalizacion #eni #normativa
la NTI y, por tanto esta guía, desarrolla: i. Los requisitos del documento electrónico digitalizado: formatos, nivel de resolución, garantía de imagen fiel e íntegra y metadatos asociados a la digitalización. ii. Descripción del proceso de digitalización y consideraciones complementarias. iii. Requisitos mínimos de conservación y disponibilidad de los documentos digitalizados.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#digitalizacion #eni #normativa
III.1 La digitalización de un documento para la generación de un documento electrónico atenderá a lo dispuesto en la Norma Técnica de Interoperabilidad de Documento Electrónico y estará compuesto por: a) La imagen electrónica que representará el aspecto y contenido del documento en el soporte origen y cumplirá los requisitos establecidos en el apartado IV de esta norma. b) Los metadatos mínimos obligatorios definidos en la Norma Técnica de Interoperabilidad de Documento Electrónico. Se podrán asignar metadatos complementarios para atender a necesidades de descripción específicas del proceso de digitalización que se aplicarán, en su caso, de acuerdo con lo previsto en la Norma Técnica de Interoperabilidad de Política de Gestión de Documentos Electrónicos. c) Si procede, firma de la imagen electrónica de acuerdo con la normativa aplicable.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#digitalizacion #eni #normativa
Los componentes digitales de un documento electrónico fruto de un proceso de digitalización se representan en la siguiente figura y son: i. Imagen electrónica. ii. Metadatos mínimos obligatorios que tiene todo documento electrónico y, en función de las necesidades específicas de cada organización, metadatos complementarios para su gestión. iii. Si procede, firma electrónica, que avala la integridad del resultado de la aplicación del proceso de digitalización y que se aplicaría mediante alguno de los sistemas de firma electrónica previstos en los artículos 42 y 43 de la Ley 40/2015, de 1 de octubre.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#portales
Arquitectura de Portlets. Un portlet es un componente web controlado por un contenedor, capaz de generar contenido dinámico e interactuar con los usuarios a través del portal. La ventaja que plantean estos elementos es su versatilidad a la hora de ser desarrollados y desplegados. Los portlets pueden generar distintos tipos de contenidos en función del mecanismo de acceso, información a la que tienen acceso. Un portlet debe ser visto como la encapsulación de una aplicación web para poder ser utilizada como un componente dentro de un portal. No obstante hoy en día esta aproximación puede ser exagerada. Resulta complicado en la aproximación que hace Jakarta con Jetspeed, implementar un modelo MVC dentro de un portlet. Sin embargo, la velocidad con la que avanza esta implementación Open Source hace prever que no tardará mucho en alcanzar los ambiciosos objetivos de esta arquitectura, proporcionando un mecanismo modular y enormemente reutilizable para la construcción de portales.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#portales
Un Portal orientado a clientes o B2C debe ser atractivo, agradable a la vista. La prioridad es conseguir que el producto en venta atraiga al usuario. Además suele estar definido por las siguientes características: − Contenido basado en identidades: Para acertar en las preferencias del usuario, primero hay que identificarlo y asociarlo a un tipo de gusto concreto. − Contenido especialmente atractivo y fácil de utilizar. − Acceso restringido a información corporativa. − Oferta de valor añadido: Muestras de información relevante, noticias públicas, servicios adicionales

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#portales
En el caso de los Portales orientados proveedores o B2B el propósito principal debe ser agilizar, optimizar y asegurar toda transacción o proceso relacionado con el objeto del negocio. Las principales características de este tipo de portales son: − Contenido basado en identidades: Cada sujeto (proveedor, partner, distribuidor,..) provoca un tipo de relación concreta. − Servicios informativos: Información actualizada sobre posibles eventos relacionados con cada grupo. − Accesos seguros: Es necesario garantizar que todas las transacciones y transferencias de información confidencial están a salvo de cualquier acción fraudulenta. − Oferta de valor añadido.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#portales
Los Portales orientados a empleados deben permitir que el usuario pueda realizar todo el trabajo relacionado con su cargo en la empresa, así como ofrecer facilidades de colaboración con otros compañeros, delegados o departamentos. Como principales características tenemos: − Acceso a las aplicaciones corporativas. − Oferta de distintas herramientas: Ofrecer el acceso a herramientas relacionadas con el perfil del usuario con el fin de facilitar su trabajo. − Acceso desde cualquier sitio: Posibilidad de acceder a los recursos corporativos desde cualquier ubicación con independencia del dispositivo utilizado. − Presentación eficiente, dirigida y atractiva.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#portales
los Portales orientados a la educación tienen el propósito de constituir una herramienta de trabajo para estudiantes y profesores. Al estudiante se le va a ofrecer la posibilidad de recoger apuntes, tareas, contactar con otros estudiantes,.. Al profesor se le va a dotar de la posibilidad de enviar tareas a sus alumnos, exponer trabajos, etc. Definiendo las características, tenemos: − Gestión de comunidades: Podemos realizar agrupaciones según cursos, especialidades y/o grupos para compartir servicios comunes. − Oferta de distintas herramientas: Ofrecer el acceso a herramientas relacionadas con el perfil del usuario con el fin de facilitar su trabajo. − Acceso desde cualquier sitio: Posibilidad de acceder a los recursos desde cualquier ubicación. − Presentación eficiente, dirigida y atractiva

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




PRINCIPIOS GOBIERNO ABIERTO
#transparencia
PRINCIPIOS GOBIERNO ABIERTO
Transparencia: • El conocimiento del Gobierno por parte de la ciudadanía y el acceso a la información pública permite el control de la acción gubernamental y facilita la rendición de cuentas de los gestores públicos.

Participación: •La ciudadanía debe poder canalizar su conocimiento, su opinión y su compromiso social hacia su Gobierno, y éste ha de estar en disposición de aprovechar los vastos recursos que supone el caudal de conocimiento y experiencia del conjunto de la sociedad y ponerlos al servicio del bien común.

Colaboración: • En un mundo complejo e interconectado como el actual, la colaboración entre administraciones y entre éstas y la sociedad es imprescindible para conseguir la máxima eficiencia y eficacia en la acción gubernamental.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




This report scc1ns to be i1nportant, for it sheds 1norc light on both the place and the \Vay of presenting the naqi~a in its forn1ativc period. This took place behind a hill, \vhich i1nplics that Jarlr \VHS positioned in a level plttCl\ apparently a courtyard of so1nc kind, perhaps a \vidc one a place in \vhich n1any 1ncn1bcrs of at least t\VO clans could gather. In such a place, only one poet could recite his naqi~a. His opponent \Vas not present there. He \vould hear the poc1n later through others \vho had heard it recited. A._s \Vas the Ct4SC in the t\VO narratives n1cntioncd above about Ghassiin and I:Iuktty1n, in so1nc cases the opponent \vould decide to visit the place in \vhich his rival \Vas reciting the narfi~a, acco1npanicd by so1nc 1ncn1bcrs of the clan that he supports.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




Dentro desse quadro de ausência de opção de vida sem “Estado político”, a democracia é o menos pior porque procura institucionalizar as tensões da vida em grupo, distribuindo “os poderes” de modo menos concentrado. A tentativa de definir a democracia como “regime de direitos” é ridícula porque não existem direitos sem deveres, por isso a ideia de que piolhos ou frangos tenham direitos começa a aparecer quando separamos direitos de sua contrapartida anterior, os deveres. A praga PC costuma fazer essa separação por motivos de marketing político e ignorância filosófica

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




combater a tendência de reduzir a democracia a um regime da “vontade popular” ou um regime “do povo”. O povo é sempre opressor. Quando aparece politicamente, é para quebrar coisas. O povo adere fácil e descaradamente (como aderiu nos séculos 19 e 20) a toda forma de totalitarismo. Se der comida, casa e hospital, o povo faz qualquer coisa que você pedir

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




Quando você dá mais espaço para a liberdade, a tendência é de que a democracia acentue as diferenças entre as pessoas e os grupos que nela vivem. Mas a liberdade é a chave da capacidade criativa e empreendedora do homem. Quando você acentua a igualdade, a democracia ganha em nivelamento e perde em criatividade e geração de abundância para as pessoas.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




Uma coisa que nosso conde percebeu é que o homem da democracia, quando quer saber algo, pergunta para a pessoa do seu lado, e o que a maioria disser, ele assume como verdade. Daí que, no lugar do conhecimento, a democracia criou a opinião pública

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




Evidente que conviver com o diferente é essencial numa sociedade como a nossa, assolada pelos movimentos geográficos humanos, mas daí a dizer que todo outro é lindo é falso e, como sempre acontece com o politicamente correto, desvaloriza o próprio drama da convivência com o outro.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




a realidade é sempre menor ou maior do que ideias e, por isso, nunca é igual às ideias. Grande parte da crítica que fazem filósofos como Nietzsche (século 19) e Platão é sobre essa tendência a descrever mal o mundo porque o fazemos desde um ponto de vista “ideal” e não real.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




Vejamos o problema da África. Um antídoto excelente é ler V. S. Naipaul. A África que brota dos relatos de suas viagens é a infeliz condição neolítica do continente

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




Outro fator importante é a relação entre a religião muçulmana e o Estado nesses países. Em muitos deles você não poderia pregar a conversão de um muçulmano ao cristianismo porque é crime, e o convertido seria considerado traidor. Negar fatos como esses só dificulta a reflexão e a informação das pessoas com relação aos problemas contemporâneos.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




Esse tipo de comportamento avança sobre crenças ligadas à saúde e à nutrição, fazendo com que um dia, quem sabe, seja politicamente incorreto comermos animais. Isso não está distante da posição de filósofos como Peter Singer e sua crítica ao especismo, termo cunhado para revelar nossos “preconceitos” contra os animais (assim como contra os negros), porque não os reconhecemos como “pessoas com direitos”. Talvez este seja um dos tipos do politicamente correto mais “de ponta”: comer animal será um dia proibido por lei se depender desses seguidores de Peter Singer. Claro que não devemos maltratar seres por simples gosto (a menos que você seja menino, more no mato e não tenha muito o que fazer...), mas, se fôssemos como esses caras do “animal liberation”, não teríamos sobrevivido à seleção natural. E mais: a ciência muito avança graças a testes com animais. Será que esses caras estão dispostos a morrer de câncer mesmo que tenham a possibilidade de usar novas drogas? Dirão que sim, mas são mentirosos.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




Frye afirma na introdução do seu monumental Código dos Códigos

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




Não apenas as universidades, mas também a mídia é povoada por pessoas que afirmam o que a maioria quer ouvir, porque isso garante adesões e reduz riscos de confronto. O politicamente correto é um caso típico de opção, por gerar adesões a um discurso autoritário. Basta analisarmos grande parte do que se fala na academia e na mídia para perceber o quanto se repete o mesmo papinho “do bem” que está longe de descrever a realidade, quase sempre intratável ao “Bem”.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




Já Russell Kirk, historiador do pensamento conservador anglo-saxão, nos anos 50 percebia que a universidade corria o risco de virar espaço onde gente “sem posses” busca ascensão social. O que aconteceu. Aqui o que importa não é tanto o “número” de propriedades que alguém tem em seu nome, mas a atitude de “bancário” ou “burocrata” para com a vida universitária. Sujeito “sem posses”, como descreve Kirk, são pessoas que se apropriam da máquina institucional da universidade a fim de garantir seu (e de seus amigos) futuro salarial. O “sem posse” aqui implica antes de tudo a ausência de posse intelectual enquanto tal

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




Assim sendo, a tragédia do keeper é a mesma tragédia da mulher emancipada. Ele, porque sofre na medida em que lhe é negado o “direito” de ser reconhecido como o “macho cuidador” – ele seria um mero machista –; e ela, porque afasta de si o keeper, pois ele se vê acuado e desvalorizado e por isso desiste de “cuidar” da mulher. O homem indiferente apenas se diverte (come todas, ainda mais quando são sozinhas e fáceis), enquanto o keeper (o bom partido) se deprime, e a mulher fica só imersa numa personagem que na realidade não existe: a mulher que não “precisa” de um keeper e que acaba sendo apenas a velha e comum mulher fácil de transar. E caidinha...

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




É fácil de ver isso nas imagens da “primavera árabe” de 2011, quando os “revolucionários da liberdade” paravam em meio a tudo para bater a cabeça em direção a Meca

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




O texto sagrado do Corão, à diferença da Bíblia ocidental, que levou, grosso modo, uns mil anos para se constituir como cânone oficial (texto sagrado) das religiões judaica e cristã, se fechou como cânone em cerca de 50 anos apenas. Além disso, a forma da linguagem é basicamente constituída de leis divinas de comportamento. O pouco tempo de “escrita” e a hegemonia de um único estilo literário implicam necessariamente menor “ruído” interno ao próprio texto, por isso menos contradições surgiram quando o texto ficou “pronto” (e deve ter sido, claro, escrito por “menos pessoas”). Se um texto foi escrito durante mil anos (e há nele, como no caso da Bíblia, mais estilos literários, como poesia, narrativa mítica, livros de personagens, profecias, livros de conteúdo moral), o número de pessoas envolvidas na criação é bem maior do que em 50 anos, e daí os “ruídos” que tornam uma leitura “fundamentalista” menos viável

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




Dizer que se é budista (ninguém deixa de ser católico ou judeu e vira budista em três semanas num workshop em Angra dos Reis ou num centro budista nas Perdizes, em São Paulo) pega bem em jantares inteligentes, porque dá a entender que você não é um materialista grosseiro, mas sim um espiritualista sustentável. Basicamente, uma religião sustentável não precisa sustentar nada a não ser uma dieta balanceada, uma bike importada e duas ou três latas de lixo de design em casa, para reciclagem de lixo. Esse é o budismo da gente “chiquinha” de São Paulo. Normalmente é gente com grana, preguiçosa, que nunca quis arrumar o quarto quando era adolescente e, com o budismo light, descobriu que esse é um direito dela, porque no budismo não existe pecado, logo, você pode ser preguiçoso com bênçãos cósmicas

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




Se você quiser acertar numa análise que envolva seres humanos, continue a usar o pecado como ferramenta para compreender o comportamento humano: orgulho, ganância, inveja e sexo continuam a mover o mundo (a luta de classes nada mais é do que um caso de ganância e inveja).

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#filosofia #pondé
Para Hobbes, a natureza humana é egoísta, amedrontada e traiçoeira porque a vida, quando em desordem, traz à tona sua precariedade essencial. Por isso ele dizia que o homem é mau, e a sociedade o faz menos mau. Para Rousseau, o homem nasce bom, e a sociedade é que o estraga. Daí ele propor que devemos fazer uma sociedade em que os pobres mandem, porque eles tiveram menos sucesso com a sociedade corrompida existente. A chave da análise de Rousseau está na suposição de que nossa natureza “pura” só deseja o que é necessário. Os ricos puderam desejar além do necessário e foram corrompidos, os pobres não. Um governo dos pobres seria, portanto, menos corrompido. O próprio culto à ideia idiota de que deveríamos “aprender a viver” como os índios, os aborígines e as tribos africanas que vivem ainda no Neolítico advém dessa bobagem rousseauniana e da versão retardada do mal-estar romântico de que falamos

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#filosofia #pondé
Tinha razão Heine, pensador alemão do século 19, quando disse, sobre os teólogos de sua época, “Só se é traído pelos seus”, referindo-se ao ateísmo implícito de muitos dos teólogos de sua época, que se preocupavam mais com o personagem histórico de Jesus do que com a ideia clássica ao cristianismo de que Jesus seria também Deus. Essa traição aparece na “envergonhada” associação que esses teólogos latino-americanos fizeram de Jesus com um Che Guevara antigo, mesmo que mintam dizendo que não. Para eles, a graça de Deus, salvadora, pousa (apenas) sobre os excluídos ao longo da história, ou seja, o proletariado, os pobres, os gays, as mulheres (que nem minoria são...), e esses “excluídos” são “o novo povo eleito”. Diferentemente dos profetas hebreus antigos, que nunca disseram que o povo era santo, esses teólogos da libertação resvalaram para um discurso no qual se vê claramente a herança de Rousseau, segundo a qual todo problema é político e, portanto, opressão dos ricos sobre os pobres

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#filosofia #pondé
A praga PC detesta a culpa. Uma das coisas mais comuns nos politicamente corretos é negar a culpa dizendo que é a sociedade que “impõe” a culpa como forma de controle. A famosa culpa judaico-cristã

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#filosofia #pondé
A natureza não é igualitária em seus dons e suas dádivas, tampouco em suas misérias: poucos são sempre melhores do que a maioria. Isso não significa que devemos cultuar “injustiças sociais”, mas sim que o melhor remédio para “injustiça social” é riqueza e abundância, e não pregadores fanáticos pela justiça social. E, para termos riqueza e abundância, precisamos deixar as pessoas produzirem o que elas têm de melhor, a saber, a realização de seus dons sem o peso de uma abstrata e irreal “igualdade” entre as capacidades humanas

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#filosofia #pondé
Na verdade é duro ser gente mesmo. E a maioria de nós é irrelevante mesmo, se arrasta pelo mundo como uma raça de abandonados que riem com pó entre os dentes. Mas o politicamente correto nos proíbe de dizer esta verdade: o leitor e o telespectador são idiotas, e no fundo nós, que “somos a mídia”, pouco os levamos em conta porque quase nada do que eles dizem vale a pena. Não fosse pela desgraça do mundo capitalista (que nos obriga a ouvir esse sujeito porque ele é consumidor e há de disputá-lo como consumidor), não precisaríamos dele e poderíamos dizer-lhe esta verdade insuperável: você é um idiota e, se não fosse consumidor de nosso produto, esqueceríamos que você existe.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#filosofia #pondé
ESTAR SEMPRE INSATISFEITA É UM DIREITO DE TODA CIDADÃ Bovarismo é um termo inventado para descrever um comportamento feminino a partir de uma personagem chamada Emma Bovary, de um romance escrito por Gustave Flaubert no século 19.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#filosofia #pondé
O welfare state nega o fato de que poucos são mais capazes, mais inteligentes, mais esforçados e mais disciplinados e que por isso devem gozar dos resultados das suas virtudes. Dizer isso é politicamente incorreto, mas é verdade. A praga PC (e seu parceiro, o Estado de bem-estar social europeu, responsável em grande parte pela derrocada da Europa nos últimos meses) estimula o vício e pune a virtude por não a reconhecer e por fazer com que ela pague a conta dos vagabundos. A verdade a ser dita contra a praga PC no Reino Unido é que existem famílias que não trabalham há três gerações porque vivem graças à “grana da Rainha”. Você pode receber até 2.500 libras (mais ou menos 7.500 reais) por mês, sem fazer nada. Todo mundo tem um cunhado vagabundo que adoraria viver à custa do Estado, não? Quando não à sua custa...

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#filosofia #pondé
Nascida da esquerda americana, ela é pior do que a esquerda clássica, porque essa pelo menos não era covarde. A praga PC usa métodos de coerção institucional e de assédio moral, visando calar todo mundo que discorda dela, antes de tudo, tentando fazer dessas pessoas monstros e, por fim, tentando inviabilizar o comércio livre de ideias. Ideias não são sempre coisas “boas”. Às vezes doem.

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#asset-swap #finance
hese things may also be influenced to some extent by the price the fi rm is willing to pay to increase its capacity quickly

statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs