Edited, memorised or added to reading list

on 28-May-2018 (Mon)

Do you want BuboFlash to help you learning these things? Click here to log in or create user.

Flashcard 149468315

Tags
#finance
Question
Make sure that there is enough context and [...].
Answer
body {color:red} it is notable, yes

statusnot learnedmeasured difficulty37% [default]last interval [days]               
repetition number in this series0memorised on               scheduled repetition               
scheduled repetition interval               last repetition or drill
Wikipedia:FAQ - Wikipedia, the free encyclopedia
development; and you may wish to try the Article Wizard. For creating a new page in your userspace see How do I create a user subpage?; or use the Article Wizard, which has an option for that. <span>Make sure that there is enough context and it is notable. Why was my article deleted? Further information: Wikipedia:Why was the page I created deleted? If you look at the address where your page was, it should have a red box above







Hahn and Meitner collaborated closely, studying radioactivity, with her knowledge of physics and his knowledge of chemistry. In 1918, they discovered the element protactinium.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Open it
tained her doctorate degree in 1906, she went to Berlin in 1907 to study with Max Planck and the chemist Otto Hahn. She worked together with Hahn for 30 years, each of them leading a section in Berlin's Kaiser Wilhelm Institute for Chemistry. <span>Hahn and Meitner collaborated closely, studying radioactivity, with her knowledge of physics and his knowledge of chemistry. In 1918, they discovered the element protactinium. In 1923, Meitner discovered the radiationless transition known as the Auger effect, which is named for Pierre Victor Auger, a French scientist who discovered the effect two




Flashcard 2978572537100

Question
Meitner helped discover this Element leis meitner
Answer
Hahn and Meitner collaborated closely, studying radioactivity, with her knowledge of physics and his knowledge of chemistry. In 1918, they discovered the element protactinium

statusnot learnedmeasured difficulty37% [default]last interval [days]               
repetition number in this series0memorised on               scheduled repetition               
scheduled repetition interval               last repetition or drill
Open it
tained her doctorate degree in 1906, she went to Berlin in 1907 to study with Max Planck and the chemist Otto Hahn. She worked together with Hahn for 30 years, each of them leading a section in Berlin's Kaiser Wilhelm Institute for Chemistry. <span>Hahn and Meitner collaborated closely, studying radioactivity, with her knowledge of physics and his knowledge of chemistry. In 1918, they discovered the element protactinium. In 1923, Meitner discovered the radiationless transition known as the Auger effect, which is named for Pierre Victor Auger, a French scientist who discovered the effect tw







round of experiments. The experiments that provided the evidence for nuclear fission were done at Hahn's laboratory in Berlin and published in January 1939. In February 1939, Meitner published the physical explanation for the observations and, with her nephew, physicist Otto Frisch, named the process nuclear fission. The discovery led other scientists to prompt Albert Einstein to write President Franklin D. Roosevelt a warning letter, which led to the Manhattan Project.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Open it
for Sweden. She continued her work at Manne Siegbahn's institute in Stockholm, but with little support, partially due to Siegbahn's prejudice against women in science. Hahn and Meitner met clandestinely in Copenhagen in November to plan a new <span>round of experiments. The experiments that provided the evidence for nuclear fission were done at Hahn's laboratory in Berlin and published in January 1939. In February 1939, Meitner published the physical explanation for the observations and, with her nephew, physicist Otto Frisch, named the process nuclear fission. The discovery led other scientists to prompt Albert Einstein to write President Franklin D. Roosevelt a warning letter, which led to the Manhattan Project. In 1944, Hahn was awarded the Nobel Prize for Chemistry for his research into fission, but Meitner was ignored, partly because Hahn downplayed her role ever since she left




Meitner retired to Cambridge, England, in 1960, where she died October 27. In 1992, element 109, the heaviest heaviest known element in the universe, was named Meitnerium (Mt) in her honor. Many consider Lise Meitner the "most significant woman scientist of the 20th Century."
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Open it
when Hahn, Meitner, and Strassman were awarded the Enrico Fermi Award. On a visit to the U.S. in 1946, she was given total American press celebrity treatment, as someone who had "left Germany with the bomb in my purse." <span>Meitner retired to Cambridge, England, in 1960, where she died October 27. In 1992, element 109, the heaviest known element in the universe, was named Meitnerium (Mt) in her honor. Many consider Lise Meitner the "most significant woman scientist of the 20th Century." Related Photograph [imagelink] Lise Meitner Related Reading [imagelink] Lise Meitner: A Life in Physics by Ruth




Cyrenaic, adherent of a Greek school of moral philosophy, active around the turn of the 3rd century BC, which held that the pleasureof the moment is the criterion of goodness and that the good life consists in rationally manipulating situations with a view to their hedonistic (or pleasure-producing) utility.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Open it
Cyrenaic PHILOSOPHY WRITTEN BY: The Editors of Encyclopaedia Britannica Cyrenaic, adherent of a Greek school of moral philosophy, active around the turn of the 3rd century BC, which held that the pleasureof the moment is the criterion of goodness and that the good life consists in rationally manipulating situations with a view to their hedonistic (or pleasure-producing) utility. The school was called Cyrenaic because Cyrene in North Africa was the centre of its activity and the birthplace of several of its members. Although the elder Aristippus, a




The school was called Cyrenaic because Cyrene in North Africa was the centre of its activity and the birthplace of several of its members. Although the elder Aristippus, a pupil of Socrates, was generally recognized as its founder, its flourishing occurred at a later date, probably at the end of the 4th century BC
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Open it
of the 3rd century BC, which held that the pleasureof the moment is the criterion of goodness and that the good life consists in rationally manipulating situations with a view to their hedonistic (or pleasure-producing) utility. <span>The school was called Cyrenaic because Cyrene in North Africa was the centre of its activity and the birthplace of several of its members. Although the elder Aristippus, a pupil of Socrates, was generally recognized as its founder, its flourishing occurred at a later date, probably at the end of the 4th century BC. According to the Cyrenaics, a man knows that things external to himself exist because they have an effect upon him, but he can know nothing about their nature. All that he




According to the Cyrenaics, a man knows that things external to himself exist because they have an effect upon him, but he can know nothing about their nature. All that he can perceive is the way in which he himself is affected by them; how other men are affected is unknown. The fact that two men give the same name to their experiences is no guarantee of identity. Thus, the only admissible objective of action is to ensure that one’s own affections are pleasant. The three possible conditions of the human constitution are violent change, gentle change, and stability. The first is accompanied by pain, the second by pleasure, the last by neither. Man must avoid the first and seek the second; it is a mistake to suppose that the third is pleasant or desirable. Moreover, the pleasure to be sought is that of the moment; only present experience can give present pleasure. Happiness, the sum of pleasures, is to be valued because it includes momentary pleasures, which are like in kind, their relative value depending only on their intensity. Bodily pleasures (and pains) are more intense than those of the mind. Nevertheless, the latter were recognized and even held to include some that have an altruistic aspect; e.g.,joy in the prosperity of one’s country. To be stronger than pleasure is a true Socratic ideal and distinguishes the Cyrenaic from the wastrel.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Open it
ivity and the birthplace of several of its members. Although the elder Aristippus, a pupil of Socrates, was generally recognized as its founder, its flourishing occurred at a later date, probably at the end of the 4th century BC. <span>According to the Cyrenaics, a man knows that things external to himself exist because they have an effect upon him, but he can know nothing about their nature. All that he can perceive is the way in which he himself is affected by them; how other men are affected is unknown. The fact that two men give the same name to their experiences is no guarantee of identity. Thus, the only admissible objective of action is to ensure that one’s own affections are pleasant. The three possible conditions of the human constitution are violent change, gentle change, and stability. The first is accompanied by pain, the second by pleasure, the last by neither. Man must avoid the first and seek the second; it is a mistake to suppose that the third is pleasant or desirable. Moreover, the pleasure to be sought is that of the moment; only present experience can give present pleasure. Happiness, the sum of pleasures, is to be valued because it includes momentary pleasures, which are like in kind, their relative value depending only on their intensity. Bodily pleasures (and pains) are more intense than those of the mind. Nevertheless, the latter were recognized and even held to include some that have an altruistic aspect; e.g.,joy in the prosperity of one’s country. To be stronger than pleasure is a true Socratic ideal and distinguishes the Cyrenaic from the wastrel. Three Cyrenaics made innovations important enough to give their names to followers. Theodorus denied that pleasures and pains are good or bad. His aim was mental cheerfulne




Flashcard 2978591673612

Question
Cyrenaic, adherent of a Greek school of moral philosophy, active around the turn of the 3rd century BC, [...] of goodness and that the good life consists in rationally manipulating situations with a view to their hedonistic (or pleasure-producing) utility.
Answer
which held that the pleasureof the moment is the criterion

statusnot learnedmeasured difficulty37% [default]last interval [days]               
repetition number in this series0memorised on               scheduled repetition               
scheduled repetition interval               last repetition or drill

Parent (intermediate) annotation

Open it
Cyrenaic, adherent of a Greek school of moral philosophy, active around the turn of the 3rd century BC, which held that the pleasureof the moment is the criterion of goodness and that the good life consists in rationally manipulating situations with a view to their hedonistic (or pleasure-producing) utility.

Original toplevel document

Open it
Cyrenaic PHILOSOPHY WRITTEN BY: The Editors of Encyclopaedia Britannica Cyrenaic, adherent of a Greek school of moral philosophy, active around the turn of the 3rd century BC, which held that the pleasureof the moment is the criterion of goodness and that the good life consists in rationally manipulating situations with a view to their hedonistic (or pleasure-producing) utility. The school was called Cyrenaic because Cyrene in North Africa was the centre of its activity and the birthplace of several of its members. Although the elder Aristippus, a







Flashcard 2978593246476

Question
Cyrenaic, adherent of a Greek school of moral philosophy, active around the turn of the 3rd century BC, which held that the pleasureof the moment is the criterion of goodness and that the good life consists in [...].
Answer
rationally manipulating situations with a view to their hedonistic (or pleasure-producing) utility

statusnot learnedmeasured difficulty37% [default]last interval [days]               
repetition number in this series0memorised on               scheduled repetition               
scheduled repetition interval               last repetition or drill

Parent (intermediate) annotation

Open it
l>Cyrenaic, adherent of a Greek school of moral philosophy, active around the turn of the 3rd century BC, which held that the pleasureof the moment is the criterion of goodness and that the good life consists in rationally manipulating situations with a view to their hedonistic (or pleasure-producing) utility. <html>

Original toplevel document

Open it
Cyrenaic PHILOSOPHY WRITTEN BY: The Editors of Encyclopaedia Britannica Cyrenaic, adherent of a Greek school of moral philosophy, active around the turn of the 3rd century BC, which held that the pleasureof the moment is the criterion of goodness and that the good life consists in rationally manipulating situations with a view to their hedonistic (or pleasure-producing) utility. The school was called Cyrenaic because Cyrene in North Africa was the centre of its activity and the birthplace of several of its members. Although the elder Aristippus, a







#economia #mises
No ponto de partida de todo progresso em direção a uma existência mais bem fornida está a poupança – o provisionamento de produtos que torna possível prolongar o período médio de tempo que decorre entre o início do processo de produção e a obtenção de um produto pronto para ser usado ou consumido. Os produtos acumulados com esse objetivo são de duas naturezas: estágios intermediários no processo tecnológico, isto é, ferramentas e produtos quase acabados; ou bens prontos para consu- mo que permitam ao homem substituir um processo que absorva menos tempo por outro que absorva mais tempo, sem com isto sofrer necessi- dades no período de espera. Esses bens são chamados de bens de capi- tal.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Numa economia socialista existem bens de capital, mas não capital. A noção de capital só faz sentido numa economia de mercado. Ser- ve para que os indivíduos ou grupos de indivíduos possam deliberar ou calcular por sua própria conta. É um instrumento usado pelos capitalistas, empresários e agricultores desejosos de fazer lucros e evi- tar prejuízos. Não é uma categoria inerente a qualquer ação. É uma categoria da ação numa economia de mercad
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Hoje as pessoas afirmam o mesmo em relação a vários setores do- minados por grandes empresas: ninguém pode concorrer com elas; são muito grandes e muito poderosas. Competição, entretanto, não signi- fica que qualquer um possa prosperar simplesmente pela imitação do que outras pessoas fazem. Significa a possibilidade de servir os consu- midores através da oferta de algo melhor e mais barato, sem que haja restrição acarretada pelos privilégios concedidos àqueles cujos interes- ses estabelecidos são afetados pela inovação. Um recém-chegado que quiser desafiar os interesses estabelecidos das firmas existentes precisa sobretudo de massa cinzenta e de ideias. Se o seu projeto é capaz de satisfazer os mais urgentes entre os desejos ainda não atendidos dos consumidores, ou de fornecer bens por um preço mais barato do que os que os fornecedores existentes oferecem, será bem sucedido, apesar do tão falado tamanho e poder das firmas mais antigas
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O homem não pode, ao mesmo tempo, pretender ter as vantagens decorrentes da cooperação pacífica em sociedade, sob a égide da di- visão do trabalho, e permitir-se uma conduta que inevitavelmente terminará por desintegrar a sociedade. Tem necessariamente de esco- lher entre o respeito a certas regras que tornam a vida em sociedade possível ou a pobreza e a insegurança, se preferir “viver perigosamen- te”, num estado de guerra constante entre indivíduos independentes. Esta é uma lei tão exata na determinação do resultado da ação humana como um todo quanto são as leis da física.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A fim de estabelecer e preservar a cooperação social e a civiliza- ção são necessárias medidas para impedir que indivíduos antissociais cometam atos que poderiam desfazer tudo o que o homem realizou desde que saiu das cavernas. Para preservar um estado de coisas onde haja proteção do indivíduo contra a ilimitada tirania dos mais fortes e mais hábeis, é necessária uma instituição que reprima a atividade an- tissocial. A paz – ausência de luta permanente de todos contra todos – só pode ser alcançada pelo estabelecimento de um sistema no qual o poder de recorrer à ação violenta é monopolizado por um aparato social de compulsão e coerção, e a aplicação deste poder em qualquer caso individual é regulada por um conjunto de regras – as leis feitas pelo homem, distintas tanto das leis da natureza como das leis da praxeologia. O que caracteriza um sistema social é a existência desse aparato, comumente chamado de governo
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O mercado não impede diretamente que alguém prejudique arbitrariamente seus concidadãos; simplesmente impõe uma penalidade a tal comportamento. O lojista tem liberdade para ser rude com seus clientes, mas terá de arcar com as consequ- ências. Os consumidores têm liberdade para boicotar um fornece- dor, mas terão de suportar o custo correspondente
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Não há um instante sequer, ao longo de toda essa se- quência de eventos, em que as vantagens decorrentes do aumento de capital disponível e dos aperfeiçoamentos técnicos beneficiem apenas os empresários. Se a riqueza e a renda dos demais estratos sociais per- manecessem inalteradas, as pessoas só poderiam comprar os produtos adicionais pela restrição proporcional de suas compras de outros pro- dutos. Se fosse assim, os lucros de um grupo de empresários seriam exatamente iguais às perdas incorridas por outros grupo
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O veículo do progresso econômico é a acumulação de capitais adi- cionais por meio da poupança e do aperfeiçoamento dos métodos tec- nológicos de produção, cuja ocorrência está quase sempre condiciona- da pela existência dessa prévia acumulação de capital. Os agentes do progresso são os empresário-promotores interessados em obter lucros pelo ajuste de seus negócios de forma a satisfazer os consumidores da melhor maneira possível. Ao realizar os seus projetos, promovendo o progresso econômico, os empresários têm necessariamente de di- vidir os benefícios decorrentes do progresso com os trabalhadores e também com uma parte dos capitalistas e proprietários de terras, in- crementando passo a passo a participação desses grupos até que a sua própria parte desapareça inteiramente.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Quanto melhor um homem servir os consumidores, mais influente se tornará na direção das atividades econômicas. Se não houvesse lucro e perda, os empresários não saberiam quais são as necessidades mais urgentes dos consumidores. Mesmo que alguns empresários pudessem adivinhá-las, não teriam os meios para ajustar corretamente a produção a elas
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Os poupadores, cujas economias constituem e mantêm o capital, e os empresários, que conduzem este capital para a utilização que melhor serve ao consumidor, não são menos indispensáveis ao processo de produção do que os trabalhadores. Não tem sentido atribuir todo o valor gerado ao aporte do trabalho e silenciar quanto à contribuição dos que aportam capitais e ideias empresariais. O que produz objetos úteis não é o esforço físico em si, mas o esforço físico adequadamente dirigido pela mente humana para consecução de objetivos específicos. Quanto maior (com o avanço do bem estar geral) for o papel dos bens de capital e quanto mais eficiente for sua utilização na cooperação dos fatores de produção, mais absurda se torna a glorificação romântica da simples realização de trabalhos manuais de rotina. Os maravilhosos melhoramentos econômicos dos últimos duzentos anos foram con- seguidos graças aos capitalistas que proveram os necessários bens de capital e a uma elite de técnicos e empresários. A grande maioria dos trabalhadores manuais foi beneficiada por mudanças que não só eles não provocaram como também, frequentemente, tentaram impedir.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A boa performance no cumpri- mento dos deveres confiados a um departamento de polícia é da maior importância para preservação da cooperação social e beneficia todos os membros da sociedade. Mas não tem preço no mercado; não pode ser vendida nem comprada. Assim sendo, não pode confrontar o resulta- do obtido com as despesas incorridas. É benéfica, resulta em ganhos, mas esses ganhos não podem ser expressos em termos monetários, como o são os lucros. Os métodos de cálculo econômico e, especialmente, a contabilidade de partidas dobradas não lhes são aplicáveis. O sucesso ou o fracasso das atividades de um departamento de polícia não podem ser apurados pelos procedimentos aritméticos utilizados pelas atividades com fins lucrativos. Nenhum contador pode informar se um departa- mento de polícia ou uma de suas subdivisões é rentável ou não.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A auditoria no campo da administração pública é inteiramente diferente daquela que é feita nas empresas que visam ao lucro. Seu objetivo é verificar se os fundos alocados foram despendidos em estrita conformidade com as provisões do orçamento. Nos negócios com objetivo de lucro, a liberdade de ação dos ge- rentes e subgerentes é limitada por considerações de lucro e perda. A motivação pelo lucro é a diretriz necessária e suficiente para submetê- los aos desejos dos consumidores. Não há necessidade de limitar sua liberdade de ação por instruções detalhadas e minuciosas. Se forem eficientes, essa ingerência seria no mínimo supérflua, senão perniciosa por lhes atar as mãos. Se forem ineficientes, ela não contribuiria para melhorar o seu desempenho. Tal ingerência somente lhes proporcio- naria a desculpa pouco convincente de que seu fracasso foi causado por regulamentos inadequados. A única instrução necessária é evidente em si mesma e nem precisa ser explicada: procure obter lucro. Na administração pública, na condução dos negócios do governo, as coisas são diferentes. Neste campo, a liberdade de ação dos governantes e de seus auxiliares não é limitada por considerações de lucro e perda.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A gestão burocrática é uma conduta fadada a cumprir regras e regulamentos detalhados, fixados por uma autoridade superior. É a única alternativa à gestão orientada pela motivação de lucro. A gestão com objetivo de lucro é inaplicável quando lidamos com objetivos que não têm valor de mercado expresso em termos de moeda ou quan- do queremos conduzir sem objetivo de lucro uma atividade que pode- ria ser conduzida com base nessa motivação. O primeiro caso é o da administração do aparato social de coerção e compulsão; o segundo caso é o da direção de uma instituição sem fins lucrativos, como por exemplo, uma escola, um hospital ou um sistema postal. Sempre que a gestão de um sistema não seja orientada pela motivação do lucro, terá que ser dirigida por regras burocráticas. A gestão burocrática não é em si mesma, um mal. É o único método apropriado para administrar o poder público, isto é, o apa- rato social de compulsão e coerção. Como o governo é necessário, a burocracia – na esfera do governo – também é necessária. Onde o cálculo econômico não é aplicável, os métodos burocráticos são a única alternativa. Por isso, um governo socialista deve aplicá-los a todos os seus campos de ação. Nenhum negócio, qualquer que seja seu tamanho ou seu propósi- to, jamais se tornará burocrático enquanto for gerido, pura e exclu- sivamente, com base na motivação do lucro. Mas quando abandona a motivação do lucro, trocando-a pela ideia de prestação de serviço – isto é, o princípio segundo o qual os serviços devem ser prestados sem que se considere que os preços cobrados sejam suficientes para cobrir os custos —, deve também substituir a gestão empresarial pelos métodos burocráticos.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Ninguém pode considerar sua posição como assegurada e não existe nenhum direito que garanta uma posição conquistada no passado. Ninguém pode eximir-se da lei do mercado, da soberania do consumidor.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Prevalece hoje a tendência de reduzir as diferenças entre as pessoas a diferenças de educação, negando-se a existência de diferenças inatas como a inteli- gência, a força de vontade e o caráter. Geralmente não se percebe que a educação nunca pode ser mais do que uma doutrinação de teorias e ideias já conhecidas. A educação, qualquer que seja o seu benefício, é transmissão de doutrinas e valores tradicionais. É, por necessida- de, conservadora; produz imitação e rotina, e não aperfeiçoamento e progresso. Os inovadores e os gênios criadores não se formam nas escolas. Eles são precisamente aqueles homens que questionam o que a escola lhes ensinou.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O consumidor não é onisciente. Não sabe onde encontrar, pelo menor preço, o que deseja comprar. Frequentemente não sabe se- quer que tipo de mercadoria ou serviço é o mais adequado para re- mover com eficácia o desconforto específico que o atormenta. Na melhor das hipóteses, conhece as condições de mercado no passado recente e ajusta seus planos com base nesse conhecimento. A tarefa da propaganda comercial é a de fornecer-lhe informações sobre a efetiva situação do mercado.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A situação mais desejável de uma Volkswirtshachft seria a completa au- tossuficiência econômica. Uma nação que dependesse de qualquer importação do estrangeiro não teria independência econômica; sua soberania seria uma impostura. Portanto, uma nação que não pudesse produzir internamente tudo de que precisa teria de se lançar, forçosa- mente, à conquista dos territórios necessários. Para ser realmente so- berana e independente, uma nação deveria ter um Lebensraum (espaço vital), isto é, um território tão extenso e tão rico em recursos naturais, que lhe permitisse viver autarquicamente com um nível de vida não inferior ao de nenhum outro país
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O governo, isto é, o aparato social de coerção e compul- são, é um requisito necessário à cooperação pacífica. A economia de mercado não pode dispensar um poder de polícia que salvaguarde seu funcionamento normal, através da ameaça ou da aplicação de violên- cia contra os perturbadores da paz.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Não é de hoje que os ingleses se acostumaram a chamar de “nossas” as fábricas e fazendas localizadas na Inglaterra e mesmo aquelas localizadas nos Domínios, nas Índias Orientais e nas colônias. Nenhum inglês, entretanto, sal- vo se desejasse mostrar o seu zelo patriótico e impressionar outras pessoas, estaria disposto a pagar um preço maior pelos produtos de “suas próprias” fábricas do que pelos produtos de fábricas “estrangei- ras”.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Não é a “América” que compra champanhe da “França”. É sempre um indivíduo americano que compra de um indivíduo francês
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Uma avaliação não depende, de forma alguma, da valoração subjetiva de quem avalia. Quem avalia não pretende estabelecer o valor de uso subjetivo do bem em questão, mas antecipar o preço que o mercado lhe atribuirá. Valoração é um julgamento de valor que exprime uma preferência. Avaliação é uma antecipação de um fato esperado. Visa a estabelecer que preços sejam pagos no mercado por certa mercado- ria ou que quantidade de dinheiro será necessária para comprar uma determinada mercadoria
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
o empresário que impede a persistência de uma atividade produ- tiva que não atenda aos desejos mais urgentes dos consumidores pelo menor custo possível. Todas as pessoas procuram obter a melhor satis- fação possível de seus desejos e, nesse sentido, procuram colher o maior benefício possível. A mentalidade dos promotores, especuladores e empresários não é diferente da dos seus semelhantes. Simplesmente, eles são superiores às massas em energia e poder mental. São os líderes que iluminam o caminho do progresso material. São os primeiros a perceber que há uma discrepância entre o que é feito e o que poderia ser feito. Imaginam o que os consumidores gostariam de ter e pro- curam satisfazê-los.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
tampouco se inquietam com os interesses estabelecidos dos empresários, capitalistas, proprietários de terras e trabalhadores que podem ser prejudicados por mudanças na estrutura de preços. Tais sentimentos não influem na formação dos preços. (É precisamente o fato de o mercado não respeitar interesses estabelecidos que faz com que os interessados peçam a interferência do governo).
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Um mundo em que todos os fatores de produção fossem absoluta- mente específicos poderia operar com tais preços cumulativos. Em tal mundo, não existiria o problema de como alocar os meios dos vários se- tores de produção. No nosso mundo real, as coisas são diferentes. Exis- tem muitos meios de produção escassos, que podem ser empregados com vários propósitos. Na realidade, portanto, o problema econômico consiste em procurar saber como empregar esses fatores de tal maneira, que nenhuma unidade seja usada para satisfação de uma necessidade me- nos urgente, se esta utilização impedisse a satisfação de uma necessidade mais urgente. É este o problema que o mercado resolve ao determinar os preços dos fatores de produção. O serviço social prestado para essa so- lução não fica diminuído pelo fato de que para fatores que só possam ser empregados cumulativamente só possa haver preços cumulativos
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A produção deve parar no momento em que a utilidade marginal do incremento deixa de compensar o aumento marginal de desutilidade dos custos
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A questão principal é a determinação do equivalente em moeda dos itens a serem considerados no cálculo. É um erro supor, como fazem muitos economistas, que esses equivalentes são magnitudes da- das, determinadas unicamente pelas condições econômicas vigentes. Ao contrário, constituem uma antecipação especulativa de condições futuras incertas e, como tal, dependem da compreensão que o empre- sário tem do futuro estado do mercado. O termo custos fixos é, neste sentido, bastante enganador
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
É necessário que se compreenda que não se está contribuindo em nada para a concepção científica das ações humanas e dos fenôme- nos sociais, ao se declarar que o estado, ou um líder carismático, ou uma inspiração que tenha baixado sobre as pessoas os tenham cria- do.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Assim sendo, a demanda por um meio de troca compõe-se de duas demandas parciais: a demanda dos que pretendem usá-lo para consu- mo ou produção e a dos que desejam usá-lo como um meio de troca. 10 No que concerne à moeda metálica moderna, fala-se da demanda in- dustrial e da demanda monetária. O valor de troca (o poder aquisiti- vo) de um meio de troca é o resultado do efeito acumulado dessas duas demandas parciais.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
na construção imaginária de uma economia uniformemente circular, a própria noção de dinheiro se esvaece num processo de cálculo irreal, autocontraditório e des- provido de qualquer significado 15 . É impossível atribuir qualquer função à troca indireta, aos meios de troca e à moeda numa tal cons- trução imaginária cuja principal característica é a imutabilidade e a rigidez das circunstâncias. Onde não há incerteza quanto ao futuro, não há qualquer ne- cessidade de encaixe. Como a moeda, necessariamente, só pode ser mantida em poder das pessoas sob a forma de encaixe, não havendo encaixe, não pode haver moeda. O uso de meios de troca e a manuten- ção de encaixes são condicionados pelo fato de que as condições eco- nômicas variam. A moeda em si mesma é um elemento de troca; sua existência é incompatível com a ideia de um fluxo regular de eventos numa economia uniformemente circular
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A moeda só existe porque existem flutuações; é um elemento de troca não porque “circula”, mas porque pode ser mantida em caixa. As pessoas só conservam moeda em caixa porque sabem que podem ocorrer mudanças cuja amplitude e natureza são absolutamente imprevisíveis
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
o repouso e o equilí- brio estão presentes não apenas numa situação de contentamento per- feito na qual as pessoas seriam perfeitamente felizes; estão também presentes num estado em que as pessoas, se bem que tenham muitas necessidades, não veem nenhum meio de melhorar sua situação. A ausência de ação não é apenas o resultado de uma plena satisfação; pode também ser o corolário da impossibilidade de tornar as coisas mais satisfatórias. Pode tanto significar desespero como felicidade.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
o termo inflação tem sido empregado para significar mudanças de origem monetária que resultam em diminuição do poder aquisiti- vo, e o termo deflação para significar mudanças de origem mone- tária que resultam em aumento do poder aquisitivo
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Hoje, muitas pessoas chamam de inflação ou deflação não ao grande aumento ou redução da oferta de moeda, mas à sua inexorável consequência: a tendência generalizada de aumento ou redução dos preços das mercadorias e dos salários. Essa inovação semântica está longe de ser inofensiva. Representa um papel importante no fomen- to das tendências populares em favor do inflacionismo
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Mas uma moeda sujeita a mudan- ças rápidas e grandes torna-se inteiramente inadequada para ser usada como meio de troca
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Não há nada que possa vir a ser um meio de troca que já não seja um bem econômico ao qual as pessoas atribuem um valor de troca antes mesmo de ser procurado como meio de troca
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Ação humana implica sempre uma provisão para o futuro, mes- mo que este futuro seja apenas o próximo instante.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Geralmente, não é possível assegurar se um determinado espécime de substituto de moeda é um certificado de moeda ou moeda fiduciária. Uma par- te da quantidade total de substitutos de moeda em circulação está usualmente coberta pela reserva correspondente. Assim sendo, uma parte da quantidade total dos substitutos de moeda em circulação são certificados de moeda, sendo a restante moeda fiduciária. Entretanto, este fato só pode ser percebido por quem está familiarizado com os ba- lanços dos bancos.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A emissão de moeda fiduciária possibilita aos bancos efetuarem empréstimos além dos limites representados por suas reservas. Desta maneira, o banco pode conceder não só crédito mercadoria, mas também crédito-circulante, isto é, crédito concedido através da emissão de moeda fiduciári
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Mises chama de crédito mercadoria – commodity credit – o crédito representado por notas bancárias ou crédito em conta corrente para o qual o banco mantém reservas monetárias de 100%. Crédito mercadoria contrasta com o crédito circulante (circulation credit), que é o crédito representado por notas bancárias ou depósitos em conta corrente especialmente emitidos ou criados com esse propósito e, portanto, sem a correspondente reserva.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O termo expansão de crédito tem sido frequentemente mal inter- pretado. É importante compreender que o crédito-mercadoria não pode ser expandido. A única forma de expandir o crédito é através do crédito circulante. Mas a concessão de crédito circulante nem sempre significa expansão de crédito. Se a quantidade de moeda fiduciária previamente emitida já consumou todos os seus efeitos sobre o mer- cado, se os preços, salários e taxas de juros já se ajustaram à quanti- dade total de moeda propriamente dita acrescida da moeda fiduciária (quantidade de moeda no sentido mais amplo), a concessão de crédito circulante que não represente um aumento na quantidade de moeda fiduciária não constitui expansão de crédito. A expansão de crédito só ocorre quando o crédito é outorgado mediante a emissão de uma quantidade adicional de moeda fiduciária, e não quando os bancos reemprestam a moeda fiduciária que recebem em pagamento de cré- ditos feitos anteriormente
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O único interesse da cata- láxia por certificados de moeda reside na conexão existente entre a emissão destes e a emissão de moeda fiduciária
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
não aumentar o montante de moeda fiduciária a um rit- mo tal que possa gerar nos clientes a convicção de que o aumento nos preços poderia continuar indefinidamente e cada vez mais rápido. Por- que, se o público estiver convencido de que assim será, reduzirá seus encaixes, refugiando-se na aquisição de valores “reais”, o que poderá provocar uma alta desastrosa (crack-up boom). Essa catástrofe não pode ocorrer sem que tenha havido primeiro o esvaecimento da confiança. O público procurará transformar os meios fiduciários em moeda propria- mente dita, para poder refugiar-se em valores reais, isto é, para com- prar indiscriminadamente qualquer mercadoria. Quando isso ocorre, o banco fica insolvente. Se o governo interfere, liberando o banco da obrigação de resgatar suas notas bancárias e honrar os depósitos que nele foram feitos, nas condições pactuadas com o público, a moeda fi- duciária transforma-se em moeda-crédito ou moeda-fiat. A suspensão do pagamento em espécie muda radicalmente a situação. Já não se trata mais de moeda fiduciária, de certificados de moeda ou de substitutos de moeda. O governo intervém, impondo a sua moeda de curso legal. O banco perde sua independência; torna-se um instrumento da política governamental, uma agência subordinada do Tesouro Nacional
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O papel que a moeda desempenha no comércio internacional não é diferente do que desempenha no comércio interno. A mo- eda é um meio de troca tanto no comércio internacional como no mercado interno. Tanto num como no outro, as compras e vendas provocam variações meramente passageiras nos encaixes dos indi- víduos e das firmas, a não ser que as pessoas desejem efetivamente aumentar ou diminuir o tamanho de seus encaixes. Um excedente de moeda só aflui para um país se os seus habitantes desejam, mais do que os estrangeiros, aumentar os seus encaixes. Uma saída de moeda só ocorre se os seus habitantes desejam, mais do que os es- trangeiros, reduzir os seus encaixes. Uma transferência de moeda de um país para outro, que não seja compensada por uma trans- ferência no sentido oposto, nunca é o resultado involuntário de transações comerciais internacionais. É sempre fruto de mudan- ças intencionais nos encaixes dos seus respectivos habitantes. Da mesma maneira que o trigo só é exportado se os residentes de um país desejam exportar um excedente de trigo, também a moeda só é exportada se os residentes desejarem exportar uma determinada quantia que consideram excedente
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O decreto governamental procura obrigar o público a tra- tar coisas de diferente valor de troca como se tivessem o mesmo valor de troca. Interfere na estrutura de preços que seria determinada pelo mercado. Fixa preços mínimos para a moeda-crédito e preços máxi- mos para a moeda-mercadoria (ouro) e para as divisas estrangeiras. O resultado alcançado não é o que o governo pretendia. A diferença entre o valor de troca da moeda crédito e do ouro não deixa de existir. Como é proibido empregar a moeda-mercadoria segundo o seu preço de mercado, as pessoas não a empregam para comprar e vender ou para pagar débitos. Preferem mantê-la em caixa ou exportá-la. A mo- eda-mercadoria desaparece do mercado interno. Diz a lei de Gresham que a má moeda expulsa do país a boa moeda. Seria mais correto dizer que a moeda que o governo tentou desvalorizar por decreto desapare- ce e a moeda que o decreto valorizou permanece. A saída da moeda-mercadoria não é, portanto, a consequência de um balanço de pagamentos desfavorável, mas o resultado de uma in- terferência do governo na estrutura dos preços
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Examinemos o caso de dois países, A e B, sendo que A adota o padrão-ouro e B, o padrão-prata. O emprestador que examina a pos- sibilidade de emprestar moeda de A para um habitante de B deverá, primeiro, vender ouro em troca de prata e, mais tarde, no vencimento do empréstimo, vender prata em troca de ouro. Se neste interregno o preço da prata baixou em relação ao do ouro, o credor, com o principal pago pelo devedor (em prata), só poderá comprar uma quantidade de ouro menor do que a que ele desembolsou quando fez a transação. Portanto, ele só se arriscará a emprestar dinheiro em B se a diferença entre as taxas de juros de A e B for suficiente para cobrir uma espera- da queda no preço da prata em relação ao ouro. A tendência de equa- lização da taxa de juros do mercado para empréstimos de curto prazo, que existe se A e B têm o mesmo padrão monetário, fica seriamente prejudicada quando os padrões são diferentes.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A expansão de crédito em A faz com que os preços aumentem e que diminua temporariamente a taxa de juros, enquanto os preços e juros em B permanecem inalterados. Consequentemente, as expor- tações de A diminuem e suas importações aumentam. Além disso, os emprestadores residentes em A procuram fazer suas aplicações de curto prazo em B. O resultado é uma drenagem de recursos para o exterior, que faz com que diminuam as reservas monetárias dos bancos de A. Se os bancos de A não abandonarem sua política ex- pansionista, ficarão insolventes
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A taxa de juros do mercado não pode ser redu- zida por meio de uma expansão de crédito, a não ser por um período curto, e mesmo assim sofrendo todas aquelas consequências descritas na teoria do ciclo econômico
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
No padrão-ouro clássico, uma parte dos encaixes dos cidadãos era constituída por moedas de ouro e o restante por substitutos de moeda. No padrão conversível em ouro, os encai- xes consistiam exclusivamente em substitutos de moeda
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Se a expectativa de uma pessoa é de que irá perder 40% de seu saldo bancário em virtude de uma desvalorização eminente, procurará transferir seu depósito para o estrangeiro e não mudará de ideia só porque a taxa de desconto aumentou 1% ou 2%. Esse aumento da taxa de desconto, obviamente, não compensa uma perda dez ou vinte ou mesmo quarenta vezes maior. Evidentemente, o padrão- ouro não pode funcionar, se os governos têm interesse em sabotar o seu funcionamento
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Não se devem confundir meios de troca secundários com substitutos de moeda. Os substitutos de moeda são pagos e recebidos nas transações, como se moeda fossem. Mas os meios de troca secundários precisam primeiro, ser trocados por moeda ou por substitutos de moeda, quando se pretende usá-los – de maneira indireta – para efetuar pagamentos ou para aumentar os encaixes
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Hoje em dia, as pessoas em geral estão prontas a considerar um aumento na sua renda nominal ou monetária como uma melhoria de sua situação material. Mais com os salários e com o equivalente monetário da riqueza do que com o aumento da quanti- dade de bens disponíveis. Num mundo em que o poder aquisitivo da unidade monetária fosse crescente, todos concentrariam sua atenção na redução do custo de vida. Isto tornaria evidente o fato de que o progresso econômico consiste primordialmente em fazer com que as amenidades da vida sejam cada vez mais acessíveis.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Não eliminaria o desejo das pessoas de melhorar sua situação material, tanto quanto possível, por meio de um ajuste adequado da produção. Não privaria o sistema econômico dos fatores que são a origem do pro- gresso material, a saber, o empenho de audazes promotores em obter lucro e a disposição do público para comprar aquelas mercadorias que lhes proporcionam maior satisfação pelo menor custo.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Um governo, ao adotar uma política inflacionista ou deflacio- nista, não está promovendo o bem estar do público, o bem comum ou os interesses da nação em geral. Está meramente favorecendo um ou alguns grupos da população à custa de outros grupos.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Em qualquer grau, uma expansão monetária resulta em investi- mentos malbaratados e exacerbação do consumo. A nação, como um todo, fica mais pobre e não mais rica
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O padrão-ouro, ao fazer com que o aumento da disponibilidade de ouro dependa da lucratividade de produzi-lo, automaticamente limita o poder do governo de recorrer à inflação.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O padrão-ouro impede que os polí- ticos possam provocar mudanças de origem monetária no poder aqui- sitivo. Sua aceitação geral implica no reconhecimento de que não se podem enriquecer as pessoas pela impressão de moeda. A aversão ao padrão-ouro origina-se na superstição de que governos onipotentes podem criar riqueza a partir de pequenos pedaços de papel
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Os gover- nos queriam suprimi-lo porque estavam comprometidos com a ilusão de que a expansão do crédito é um meio adequado para reduzir a taxa de juros e para “melhorar” a balança comercial
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Pode ser que um dia a tecnologia descubra um método capaz de aumentar a disponibilidade de ouro a um custo tão baixo a ponto de torná-lo imprestável para a função monetária. Quando isso ocorrer, o padrão-ouro terá de ser substituído por outro padrão. É inútil querer saber, hoje, como esse problema será resolvido. Não temos a menor ideia sobre quais serão as condições no momento em que essa decisão tiver de ser tomada.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Existem vários métodos para estender o período de provisão: 1. A acumulação de maiores estoques de bens de consumo. 2. A produção de bens mais duráveis. 3. A produção de bens que requeiram um maior período de produção. 4. A escolha de métodos que absorvam mais tempo para a produção de bens que também poderiam ser produzidos num menor período
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
na economia uni- formemente circular não há alteração na alocação de bens para satisfa- ção de necessidades num futuro próximo ou distante. Ninguém pen- saria em mudar nada porque – por definição – a alocação prevalecente é a que melhor atenderia a todos, e porque ninguém acreditaria que uma alocação diferente pudesse melhorar sua situação. Ninguém de- sejaria aumentar seu consumo em curto prazo à custa de seu consumo posterior, ou vice-versa, porque a alocação existente seria preferível a qualquer outra que fosse imaginável e factível
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Na construção imaginária da economia uniformemente circular, está implícito que toda a renda, mas não mais que isso, é consumida e que, portanto, o capital permanece inalterado.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A preferência temporal não é especificamente humana. É uma característica inerente a todas as coisas vivas. O traço que distingue o homem consiste precisamente no fato de que, para ele, a preferência tem- poral não é inexorável e o prolongamento do período de provisão não é meramente intuitivo como no caso de certos animais que acumulam alimentos, mas o resultado de um processo de valoração.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A condição sine qua non para estender qualquer processo de produção é poupar, isto é, guardar um excedente da produção corrente sobre o consumo corrente. Poupar é o primeiro passo para aumentar o bem estar material e condição necessária para todo progresso posterior
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Esta- mos, hoje, melhores do que as gerações anteriores, porque dispomos dos bens de capital que elas acumularam para nós
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Também é inadmissível dizer que os bens de capital são trabalho e natureza armazenados. Eles são, na realidade, trabalho, natureza e tempo armazenados. A diferença entre produção sem a ajuda de bens de capital e produção com o emprego de bens de capital consiste no tempo. Bens de capital são estágios intermediários do caminho que vai do início da produção até a sua meta final, qual seja, colocar os bens de consumo à disposição das pessoas. Quem produz com a ajuda de bens de capital leva uma grande vantagem sobre quem não tem esta ajuda: está mais perto, no tempo, do objetivo final de seus esforços.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A maneira pela qual os economistas que se opõem à chamada esco- la “austríaca” habitualmente tratam o problema do capital pressupõe que a técnica empregada na produção é inexoravelmente determinada pelo nível de conhecimento tecnológico. Os economistas “austría- cos”, por outro lado, mostram que é o estoque disponível de bens de capital em cada momento que determina a escolha dos vários métodos de produção conhecidos. 9 A procedência do ponto de vista austríaco pode ser facilmente demonstrada, analisando-se o problema da escas- sez relativa de capital
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Escassez de capital significa: estar mais distante de atingir o ob- jetivo desejado por não ter começado a persegui-lo antes. Por ter ne- gligenciado de fazê-lo no passado, faltam os produtos intermediários, embora estejam disponíveis os fatores naturais com que produzi-los. Escassez de capital é carência de tempo. É a consequência de ter co- meçado tarde a buscar o fim desejado. É impossível descrever as van- tagens decorrentes da disponibilidade de bens de capital e as desvan- tagens resultantes da falta de bens de capital, sem evocar o elemento tempo, o mais cedo e o mais tarde. 1
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Se a ação visa, principalmente, a melhorar as condições de outras pessoas e, por isso, é habitualmente denominada de altruística o des- conforto que o agente quer remover é a sua insatisfação atual com a provável situação dessas outras pessoas nos vários períodos do futuro. Ao cuidar de outras pessoas, busca aliviar a sua própria insatisfação. Portanto, não deve causar surpresa o fato de o agente homem, fre- quentemente, procurar prolongar o período de provisão para além do período esperado para a sua própria vida
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A guerra é a alternativa à liberdade de investimento estrangeiro, que um mercado internacional de capitais tornaria possível.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
585 A Ação na Passagem do Tempo ansiosos para nos mostrar como as coisas na realidade estão mal or- ganizadas e como os homens poderiam ser mais felizes se lhes fossem atribuídos poderes ditatoriais. Exclusivamente por causa, dizem eles, das deficiências do modo de produção capitalista, a humanidade se vê impedida de usufruir de todas as comodidades que poderiam ser obtidas com o atual estágio do conhecimento tecnológico. O erro fundamental desse racionalismo romântico consiste no des- conhecimento do grau de inconversibilidade dos bens de capital dispo- níveis, assim como de sua escassez. Os produtos intermediários hoje disponíveis foram fabricados no passado pelos nossos ancestrais e por nós mesmos, em conformidade com as ideias, fins e processos tecnoló- gicos então prevalecentes. Se desejarmos atingir outros fins e adotar outros processos tecnológicos, estaremos diante da seguinte alternati- va: ou abandonamos uma grande parte dos bens de capital disponíveis e começamos a produzir novos equipamentos modernos, ou teremos de ajustar os nossos processos de produção, na medida do possível, ao caráter específico dos bens de capital disponíveis. A escolha é feita, como sempre ocorre na economia de mercado, pelos consumidores, que se manifestam comprando ou deixando de comprar qualquer produto.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O fato de que nem todo avanço tecnológico seja instantaneamente usado em todas as suas possíveis aplicações não é mais surpreendente do que o fato de que nem todas as pessoas se desfazem de seu carro velho ou de suas roupas usadas só porque saiu um modelo novo de carro ou porque mudou a moda. Em todas essas situações as pessoas estão motivadas pela escassez de bens disponíveis.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O que modera a rapidez do avanço tecnológico não é a imperfeita conversibilidade dos bens de capital, mas sua escassez.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O capital, dizem os marxistas, gera lucro. Tudo isso é um disparate. Capital é um conceito praxeológico. É um produto da razão e só existe na mente humana. É uma maneira de encarar os problemas da ação, um método para avaliar se a ação conseguiu atingir um objetivo determinado. Influi no curso da ação humana e, apenas nesse senti- do, é um fator real. Está inescapavelmente ligado ao capitalismo, à economia de mercado.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A transferência de capital pode ser efetuada sem ou com a trans- missão de propriedade dos bens de capital. O primeiro caso ocorre quando um homem consome capital enquanto outro homem, indepen- dentemente, acumula a mesma quantidade de capital. O segundo caso ocorre quando o vendedor dos bens de capital consome a importância recebida, enquanto o comprador lhe paga utilizando-se do excedente não consumido, ou seja, poupando uma parte de sua receita líquida.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O que aumenta o preço das mercadorias e as taxas de câmbio não é a conduta dos que estão dispostos a se desfazer dos francos, mas a conduta dos que se recusam a recebê-los, a não ser por uma taxa de câmbio menor
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Juro não é apenas juro sobre capital. Juro não é apenas o ganho decorrente da utilização de capital. A correspondência, a que aludiam os economistas clássicos, entre os três fatores de produção – trabalho, capital e terra – e as três classes de renda – salários, juros e aluguel – não resiste a uma análise. O aluguel não é a renda específica da terra; é um fenômeno catalático geral. Representa na renda do trabalho e dos bens de capital o mesmo papel que na renda da terra. Além disso, não há nenhuma fonte homogênea de renda que possa ser chamada de lucro no sentido com que os economistas clássicos empregaram este termo. Lucro (no sentido de lucro empresarial) e juros não são mais características do capital do que o são da terra.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A diferença entre a soma dos preços dos fatores complementares de produção e os preços dos produtos, diferença essa que aparece mesmo na ausência de mudanças nos dados de mercado, re- sulta da maior valoração dos bens presentes em relação aos bens futuros. À medida que a produção segue o seu curso, os fatores de produção são transformados em bens presentes de maior valor. Esse incremento de valor, que é a fonte de ganhos específicos em favor dos proprietários dos fatores de produção, é à base do juro originário
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O juro é um fenômeno homogêneo. Não existem diferentes fontes de juro. Juro auferido sobre um financiamento de bens duráveis ou sobre crédito para o consumo é, como qualquer outro tipo de juro, uma consequência do maior valor atribuído aos bens presentes em comparação com os bens futuros.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O juro originário não pode desaparecer enquanto houver escassez e, portanto, ação
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Contudo, uma das premissas básicas que caracterizam a construção imaginária da economia uniformemente circular é que o futuro não difere em nada do presente, que os agentes têm plena consciência disso e agem consequentemente. Assim sendo, nesse contexto não há lugar para o fenômeno da poupança simples. O mesmo não ocorre com a poupança capitalista, ou seja, com o correspondente aumento do estoque de bens de capital.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Se o capitalista deixar de receber juros, rompe-se o equilíbrio entre a satisfação de necessidades em períodos do futuro mais próximo ou do mais remoto. O fato de que um capitalista tenha mantido seu capital em 100.000 dólares está condicionado pelo fato de que 100.000 dólares hoje equi- valem a 105.000 dólares daqui a um ano. Esses 5.000 dólares seriam, para o capitalista, suficientes para superar as vantagens advindas de um consumo instantâneo de uma parte dessa soma. A supressão dos pagamentos de juros provocaria o consumo do capital.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Se não houvesse o juro originário, os bens de capital não seriam destinados ao consumo imediato e tampouco o capital seria consu- mido. Ao contrário, em tal situação inconcebível e inimaginável não haveria consumo, mas, apenas, poupança, acumulação de capital e in- vestimento. O que, na realidade, provocaria o consumo do capital existente seria não o impossível desaparecimento do juro originário, mas a abolição do pagamento de juros aos proprietários de capital. Neste caso, os capitalistas consumiriam os seus bens de capital preci- samente porque existe o juro originário e a satisfação presente é pre- ferida à satisfação futura.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Quem pretender “abo- lir” o juro terá de convencer as pessoas de que uma maçã disponível daqui a cem anos terá o mesmo valor de hoje. O que pode ser abolido pelas leis e decretos é apenas o direito de os capitalistas receberem ju- ros. Mas tais decretos provocariam o consumo de capital e rapidamente reconduziriam a humanidade à sua originária e natural pobreza
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Quan- to menor o desconto atribuído aos bens futuros, menor a taxa de juro originário. As pessoas não poupam porque a taxa de juro originário aumentou, e a taxa de juro originário não baixa porque aumentou o volume de poupança. As mudanças na taxa de juro originário e no volume de poupança são – tudo o mais, especialmente as condições ins- titucionais, sendo igual – dois aspectos do mesmo fenômeno. O desa- parecimento do juro originário seria equivalente ao desaparecimento do consumo. O aumento ilimitado do juro originário seria equivalente ao desaparecimento da poupança e de qualquer provisão para o futuro.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Somente na hipótese da construção imaginária da economia uniformemente circular é que o juro originário decorre da mera passagem do tempo; com a passagem do tempo e com o pro- gresso do processo de produção, um valor cada vez maior se agrega, como se assim fosse, aos fatores complementares de produção; ao término do processo de produção, o lapso de tempo incorporou ao preço do produto a sua quota de juro originário
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
dentifica-os com o rico ocioso, e aos devedores com o trabalhador pobre. Abomina os primeiros como exploradores gananciosos e apieda-se dos últimos como vítimas inocentes da opressão. Consi- dera a ação do governo que visa a reduzir os direitos dos credores como uma medida extremamente benéfica para a imensa maioria, à custa de uma pequena minoria de usurários insensíveis. A opinião pública ainda não percebeu que as inovações capitalistas do século XIX mudaram completamente a composição das classes credoras e devedoras. Na Atenas de Sólon, na Roma das leis agrárias e na Idade Média, os credores de um modo geral eram os ricos e os de- vedores, os pobres. Mas, nesta nossa época de títulos e debêntures, de bancos hipotecários, sociedades de poupança, apólices de seguro de vida e instituições de previdência social, as massas populares de menor renda são muito mais credoras do que devedoras. Por outro lado, os ricos, na qualidade de proprietários de ações, de fábricas, de fazendas e de imóveis, são muito mais devedores do que credores. Ao pedir a expropriação dos credores, as massas inadvertidamente estão indo contra os seus próprios interesses
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Os riscos políticos implícitos nos empréstimos de dinheiro não afetam o nível de juro originário; afetam o componente empre- sarial incluído na taxa bruta de juros. No caso extremo – isto é, quando fosse iminente a anulação de todos os contratos que en- volvem pagamentos a prazo – o componente empresarial cresceria ilimitadamente. 2 2 A diferença entre esse caso (caso b) e o caso do fim do mundo anteriormente aludido na p. 606 (caso a) é a seguinte: no caso a, o juro originário aumenta acima de qualquer medida porque os bens futuros perdem todo valor; no caso b, o juro originário não se altera, enquanto o componente empresarial aumenta acima de qualquer medida
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A moeda seria neutra se as mudanças no poder aquisitivo da uni- dade monetária provocadas por variações dos encaixes afetassem, ao mesmo tempo e na mesma medida, os preços de todas as mercadorias e serviços. Com uma moeda neutra, seria concebível uma taxa de ju- ros neutra, desde que não houvesse pagamentos a prazo. Se existem pagamentos a prazo e se não consideramos a condição empresarial do credor – e a consequente componente empresarial da taxa bruta de ju- ros —, temos ainda assim que admitir, ao se estabelecerem os termos de um contrato de empréstimo, a possibilidade de futuras variações no poder aquisitivo da moeda. O principal deveria ser multiplica- do periodicamente por um número índice que refletisse as mudanças ocorridas, para mais ou para menos, no poder aquisitivo. Com o ajus- te do principal, o montante sobre o qual o juro é calculado também mudaria. Sendo assim, a taxa de juro seria neutra.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O aumento da propensão para comprar ou vender, que gera o prê- mio compensatório, geralmente afetam primeiro e em maior grau o mercado de empréstimos de curto prazo. Sendo assim, o prêmio com- pensatório atinge inicialmente o mercado de empréstimos de curto prazo e, somente mais tarde, em virtude da concatenação que existe entre todas as partes do mercado, atinge também o mercado de em- préstimos de longo prazo.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O prêmio compensatório está sempre defasado em relação às mudanças no poder aquisitivo porque é gerado não pela mudança na quantida- de de dinheiro (no sentido amplo), mas pelos – necessariamente posteriores – efeitos dessas mudanças sobre a estrutura de preços. Somente no estágio final de uma inflação continuada é que essa ordem se altera.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Ao ordenar cronologicamente os preços de certas mercadorias de primeira necessidade, o empirismo tem pelo menos uma aparente justificativa no fato de estar lidando com preços que se referem ao mesmo objeto físico. Na verdade, essa desculpa é improcedente, uma vez que os preços não se referem às propriedades imutáveis das coisas, e sim aos valores variáveis que o agente homem lhes atribui.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
O que faz com que as pes- soas pensem que a inflação provoca uma prosperidade geral são precisamente esses ganhos ilusórios. As pessoas acham que estão sendo bem-sucedidas e gastam generosamente para aproveitar a vida; embelezam suas casas, constroem novas mansões e patro- cinam espetáculos musicais. Ao gastar seus ganhos aparentes, o imaginário resultado de cálculos equivocados está, na verdade, con- sumindo o próprio capital
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
A taxa de mercado aumenta ou diminui em função da diminuição ou do aumento da quantidade de moeda oferecida para empréstimos, sem qualquer ligação com as mudanças na taxa de juro originário que, possivelmente, ocorrerão mais tarde, em con- sequência das mudanças na relação monetária.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
uponhamos que a quantidade adicional de moeda e de substitutos de moeda seja injetada através do mercado de crédito e atinja o resto do mercado, via empréstimos con- cedidos. Tal hipótese corresponde precisamente às condições de uma expansão do crédito circulante.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
taxa bruta de mercado deveria aumentar em decorrência do contínuo aumento do prêmio compensatório positivo, provocado pelo progresso do processo expansionista. Mas, enquanto subsistir a expansão do crédito, a taxa bruta de mercado continua atrasada em relação ao valor que seria necessário para cobrir o juro originário e o prêmio compensatório positivo
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Se a expansão de cré- dito consiste numa única injeção, não repetida, de uma determinada quantidade de moeda fiduciária no mercado de crédito, o boom não poderá durar muito tempo. Os empresários não conseguem obter os recursos de que necessitam para dar continuidade aos seus projetos. A taxa bruta de juro do mercado aumenta porque a maior deman- da por empréstimos não é contrabalançada por um correspondente aumento na quantidade de moeda disponível para empréstimo.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




#economia #mises
Admitamos, só para argumentar, que essas explicações não monetárias do período de alta e do ciclo econômico estejam corretas: os preços sobem e a atividade econômica se expande, sem que tenha havido qualquer aumento na quantidade de moeda. Se fosse assim, surgiria logo uma tendência de queda nos preços, a demanda por em- préstimo aumentaria, as taxas brutas de juro do mercado subiriam e o boom teria vida curta.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

pdf

cannot see any pdfs




So you just see black; that's what the sky would look like if the earth didn't have an atmosphere.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

More than you ever wanted to know about light scattering
being reflected by the surface of the moon and the earth in the distance. Sunlight is also shining through space between the moon and the earth but there's nothing there to scatter the light. <span>So you just see black; that's what the sky would look like if the earth didn't have an atmosphere. Before we take the next step we need to remember that white light is actually a mixture of violet, blue, green, yellow, orange a




Article 2978972568844



In Istanbul, Drinking Coffee in Public Was Once Punishable by Death http://www.atlasobscura.com/articles/was-coffee-ever-illegal "failure of 17th-century coffeehouse bans in Europe (documented by coffee historian Markman Ellis" "1511" bmark "Cairo (multiple times), and Istanbul and other Ottoman areas" "Coffeehouses, though, were considered acceptable for Muslims. They were cheap and lacked social restrictions, so they were accessible to everyone" "Crackdowns were likely considered successful, she notes, as long as they made it harder for the janissaries or other dissidents to mobilize, and unnecessary if a ruler felt secure in his power." "Between the early 16th and late 18th centuries, a host of religious influencers and secular leaders, many but hardly all in the Ottoman Empire, took a crack at suppressing the black brew." "More often, secular authorities opposed coffee for political reasons. Before coffeehouses, Zilfi points out, there weren’t many spaces in the Ottoman Empire for p



coffeehouse
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Open it
In Istanbul, Drinking Coffee in Public Was Once Punishable by Death http://www.atlasobscura.com/articles/was-coffee-ever-illegal "failure of 17th-century coffeehouse bans in Europe (documented by coffee historian Markman Ellis" "1511" bmark "Cairo (multiple times), and Istanbul and other Ottoman areas&q




failure of 17th-century coffeehouse bans in Europe (documented by coffee historian Markman Ellis"
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Open it
In Istanbul, Drinking Coffee in Public Was Once Punishable by Death http://www.atlasobscura.com/articles/was-coffee-ever-illegal "failure of 17th-century coffeehouse bans in Europe (documented by coffee historian Markman Ellis" "1511" bmark "Cairo (multiple times), and Istanbul and other Ottoman areas" "Coffeehouses, though, were considered accepta




#ruby
The link between the running application and your handcrafted code is never severed, because that scripting code is translated every time it's invoked; in other words, for every web page that your application renders.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Scripting Languages
cation's source code all the time. Scripting languages have no compiler or compilation phase per se; instead, they use an interpreter—a program that runs on the web server—to translate handwritten code into machine-executable code on the fly. <span>The link between the running application and your handcrafted code is never severed, because that scripting code is translated every time it's invoked; in other words, for every web page that your application renders. As you might have gathered from the name, the use of an interpreter rather than a compiler is the major difference between a scripting language and a compiled language.




#ruby
Translating code on the web server every time it's needed is certainly more expensive performance-wise than executing precompiled code, as it requires more effort on the part of your machine's processor. The good news is that there are ways to speed up scripted languages, including techniques such as code caching—caching the output of a script for reuse rather than executing the script every time—and persistent interpreters—loading the interpreter once and keeping it running instead of having to load it for every request.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Scripting Languages
, for every web page that your application renders. As you might have gathered from the name, the use of an interpreter rather than a compiler is the major difference between a scripting language and a compiled language. <span>Translating code on the web server every time it's needed is certainly more expensive performance-wise than executing precompiled code, as it requires more effort on the part of your machine's processor. The good news is that there are ways to speed up scripted languages, including techniques such as code caching—caching the output of a script for reuse rather than executing the script every time—and persistent interpreters—loading the interpreter once and keeping it running instead of having to load it for every request. <span><body><html>




#ruby
OOP is a programming paradigm. Its core idea is that programs should be composed of individual entities, or objects, each of which has the ability to communicate with other objects around it by passing messages. Additionally, each object may have the facility to store data internally (called state).
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Object Oriented Programming
OOP is a programming paradigm that first surfaced in the 1960s, but didn't gain traction until the 1980s with C++. Its core idea is that programs should be composed of individual entities, or objects, each of which has the ability to communicate with other objects around it by passing messages. Additionally, each object may have the facility to store data internally (called state ). Objects in an OOP application are often modeled on real-world objects, so even non-programmers usually recognize the basic role that an object plays. And, just like the real




#ruby
OOP defines objects and classes with similar characteristics belonging to the same classes and objects.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Object Oriented Programming
composed of individual entities, or objects, each of which has the ability to communicate with other objects around it by passing messages. Additionally, each object may have the facility to store data internally (called state ). <span>Objects in an OOP application are often modeled on real-world objects, so even non-programmers usually recognize the basic role that an object plays. And, just like the real world, OOP defines objects and classes with similar characteristics belonging to the same classes and objects. A class is a construct for defining properties for objects that are alike and equipping them with functionality. For example, a class named Car might define the attributes color and m




#ruby
A class is a construct for defining properties for objects that are alike and equipping them with functionality.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Object Oriented Programming
deled on real-world objects, so even non-programmers usually recognize the basic role that an object plays. And, just like the real world, OOP defines objects and classes with similar characteristics belonging to the same classes and objects. <span>A class is a construct for defining properties for objects that are alike and equipping them with functionality. For example, a class named Car might define the attributes color and mileage for its objects, and assign them functionality: actions such as open the trunk, start the engine, and change




#ruby
different actions are known as methods, although you'll often see Rails enthusiasts refer to the methods of a controller (a kind of object used in Rails with which you'll become very familiar) as actions; you can safely consider the two terms to be interchangeable.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Object Oriented Programming
like and equipping them with functionality. For example, a class named Car might define the attributes color and mileage for its objects, and assign them functionality: actions such as open the trunk, start the engine, and change gears. These <span>different actions are known as methods, although you'll often see Rails enthusiasts refer to the methods of a controller (a kind of object used in Rails with which you'll become very familiar) as actions; you can safely consider the two terms to be interchangeable. Understanding the relationship between a class and its objects is integral to understanding how OOP works. For instance, one object can invoke functionality on another object




#ruby
a class named Car might define the attributes color and mileage for its objects, and assign them functionality: actions such as open the trunk, start the engine, and change gears.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Object Oriented Programming
eal world, OOP defines objects and classes with similar characteristics belonging to the same classes and objects. A class is a construct for defining properties for objects that are alike and equipping them with functionality. For example, <span>a class named Car might define the attributes color and mileage for its objects, and assign them functionality: actions such as open the trunk, start the engine, and change gears. These different actions are known as methods, although you'll often see Rails enthusiasts refer to the methods of a controller (a kind of object used in Rails with which you'll become v




#ruby
One object can invoke functionality on another object, and can do so without affecting other objects of the same class
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Object Oriented Programming
th which you'll become very familiar) as actions; you can safely consider the two terms to be interchangeable. Understanding the relationship between a class and its objects is integral to understanding how OOP works. For instance, <span>one object can invoke functionality on another object, and can do so without affecting other objects of the same class. So, if one car object was instructed to open its trunk, its trunk would open, but the trunk of other cars would remain closed—think of KITT, the talking car from the television show Kn




#ruby
When we create a new object in OOP, we base it on an existing class. The process of creating new objects from a class is called instantiation.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Object Oriented Programming
n closed—think of KITT, the talking car from the television show Knight Rider, if it helps with the metaphor. Similarly, if our high-tech talking car were instructed to change color to red, it would do so, but other cars would not. <span>When we create a new object in OOP, we base it on an existing class. The process of creating new objects from a class is called instantiation . As I've mentioned, objects can communicate with each other via messages, invoking functionality (methods) on other objects. Invoking an object's methods can be thought of as




#ruby
Objects can communicate with each other via messages, invoking functionality (methods). Invoking an object's methods can be thought of as asking the object a question and getting an answer in return. The answer that the object gives is called a return value.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Object Oriented Programming
structed to change color to red, it would do so, but other cars would not. When we create a new object in OOP, we base it on an existing class. The process of creating new objects from a class is called instantiation . <span>As I've mentioned, objects can communicate with each other via messages, invoking functionality (methods) on other objects. Invoking an object's methods can be thought of as asking the object a question and getting an answer in return. Consider the example of our famous talking car again. Let's say we ask the talking car object to report its current mileage. This question is not ambiguous: the answer that the object gives is called a return value. In some cases, the question-and-answer analogy seems ill-fitting. In these situations, we might rephrase the analogy to consider the question to be an instruction, and the an




#ruby
If we wanted to tell our car to change gear, we tell it not only to change gear, but also which gear to change to. The process of asking these kinds of questions is referred to as passing an argument to the method. An argument (also called a "parameter") is an input value that's provided to a method. An argument can be used to influence: how a method operates on which object a method operates. As one might expect, the object sending the message is called the sender, and the object receiving the message is called the receiver.
statusnot read reprioritisations
last reprioritisation on reading queue position [%]
started reading on finished reading on

Object Oriented Programming
might rephrase the analogy to consider the question to be an instruction, and the answer a status report indicating whether or not the instruction was executed successfully. Sometimes we need more flexibility with our instructions. <span>For example, if we wanted to tell our car to change gear, we tell it not only to change gear, but also which gear to change to. The process of asking these kinds of questions is referred to as passing an argument to the method. An argument (also called a "parameter") is an input value that's provided to a method. An argument can be used to influence: how a method operates on which object a method operates. As one might expect, the object sending the message is called the sender, and the object receiving the message is called the receiver. <span><body><html>